Sem saber que era impossível, foi lá e fez.

04/05/2017

Um momento crítico de fato na economia e política. E eu viajando...

Eu não sou uma pessoa muito calma. Mas as vezes a experiência e o bom senso nos mandam trabalhar, observar o entorno e quando não for possível produzir, dar descanso a alma. Tenho que manter compromissos independente do que acontece. Não dá mais para andar para tráz nem cruzar os braços. Entretanto estar aberta numa semana entre dois feriados seria um pouco burro. Vindo de um período do contrato extremamente extenuante, foi sensato descansar e dar descanso pra galera. Assim se toma energia para seguir em frente, estar disposto a produzir, estar menos lábil aos humores. Até por isso eu suspendi meu Facebook. Enchi de ficar vendo comentários pessimistas sem embasamento. É claro que temos razões diversas para mal humor, indignação, mas detesto achismos, comentários frutos de fishing, de viralizações de videos superficiais e opiniões de forte viés partidário que neste momento acho inoportunas. Seria a hora de todos estarmos atentos ao que deve e não deve nas reformas com base numa opinião ou conjunto de opinões de gente que de fato entende do assunto e não grupos como por ex o funcionalismo alto que seria muito prejudicado, caso se fizesse por ex a perda da integralidade e paridade do alto servidor. Aí vem um grupo imenso do funcionalismo , boa parte nem privilegiado pela coisa, defender direitos que eles nem tem. Ah. Assim fica fácil. Essa postura de só dizer não a reforma não inclui todos de forma democrática e sim, cria nichos previlegiados, e vestem a camisa de serem bonzinhos para o povo. Ah...pra min deu demagogia, opiniões superficiais e chega. Prefiro minha solitária busca por informação de qualidade, e menor compartilhamente de ideias, até porque petista radical improdutivo de visão parcial, está cheio por aí e nâo serei eu a bater de frente. Muita gente cheia das melhores intenções mas de visão parcial, por se satisfazer com a informação que recebe e outras por interesses sejam lá eles quais forem. Perder direitos básicos nem pensar. Nem pensar, mas ajuste na previdencia e na lei trabalhistas, precisam sim. Enfim, como este assunto me tira o humor um pouco, resolvo encerrar sites que me levavam a ler coisas totalmente dispensáveis e encerro por aqui tb o assunto por hoje. Apenas o iniciei, pois parece que estou numa ótima passeando em plena crise, emendando feriados. Mas tudo se baseia no esvaziamento do movimento que acontece na semana entre dois feriados no momento. Houve época que era garimpeira, ficava na espreita e papando tudo que pintava nestes dias. Fiz minha parte. Hoje não, o imposto que me leva o governo e a falta de retorno, me fazem pensar se vale a pena ou não trabalhar por pouco. O ganho maior seria o descanso. Neste momento, que quando vou trabalhar, trabalho mesmo, mil responsabilidades, risco etc....Mereço parar quando julgo mais interessante. PONTO. O Rio sempre é bom, mas posso dizer que enxergo a crise no Rio. O funcionalismo estadual que eu era uma delas inclusive, está apanhando demais, sem salário. Atrasos absurdos em função de uma gestão equivocada, roubos, queda da arrecadação. Enfim, infelizmente isso se refletiu nas ruas. Bares continuam cheios. Mas grandes casas noturnas, que antes havia movimento para todas, agora amargam uma lotação parcial, outras esvaziadas. Para quem não conhece como eu, não percebe. Levei duas amigas daqui, para passear lá e elas acharam tudo cheio, com movimento em todos os bares. Sim, ainda existe isso. Afinal é o Rio de Janeiro. Mas muito mais morno que antes como disse. A temperatura estava uma delícia. Fomos a praia, com sol gostoso, mas sem a lotação do verão nem a temperatura intensa. Fui a mesma praia de sempre, na JOana, e só de pisar na areia, o barraqueiro, da barraca que frequentei por quase 30 anos de praia, me reconheceu na primeira. POstei uma foto ali no Face, no mesmo bat local, com curtida de todos na mesma hora, e o comentário do Doquinha falando...he he conheço essa praia de longe..Pois é até Doca se mandou com a mulher pra Portugal. Muitos brasilerios se não dizendo adeus, dando um tempo, como tb a minha vizinha de anos D. Lourdes, filha de portugueses, foi, amiga de 40 anos da mamãe, pois a filha, Ana médica tb, forçou uma barra, tem uma filha que já está lá pois foi de um casamento rápido com um alemão, logo, foram todos este mês passado. Tem hora que isso me dá uma certa tristeza, uma coisa que já vimos no passado, uma época que alguns diziam que a saida para o Brasil era o aeroporto. Confesso, eu não concordo. Mas que dá sim, vontade hora de chutar o pau da barra, ohhhhhhhhh se dá!!!!! Fui a Buzios com as meninas, Lili e Patrícia. As duas gostaram muito mas desmaiaram mesmo foi pelo azul de arraial. Sim arraial é uma dádiva dos deuses para o carioca. Um presente da natureza mesmo. Porém, a precariedade do comércio e restaurantes me afasta um pouco, apesar do que, para qualquer lugar que se vá ali, pra min tá valendo. Eu amo viajar mesmo... Em Búzios pegamos uma pousada na rua das Pedras mesmo, pra facilitar a night. Uma pousada de um argentino e um belga, com umas moças simpaticas na arrumação e outras argentinas na recepção. Tranquila, mas instalações bem economicas. Pra dormir e mudar de roupa mesmo, apesar do imenso quarto para 4 e banheiro bem grande. Tao pousada. Mas o babado, era que em plena terça havia uma festa argentina no restaurante japa da pousada. Ahhhhhhhh O Despacito emplacou, e o tal poquito poquito imperou a noite toda , sendo que as 4 da manhã eu cheguei a acordar e pensar, po...jã passou dos limites e em seguida a música parou. Coisas de Buzios. Restaurantes bem gostosos novos na Orla Bardot, e tb carinhos> mas valem pelo visual incrível. A bela pousada que já fiquei em 2004 Casas Brancas continua lá imperando, como uma das mais vips. Os dias não estavam tão lindos. Abril é abril, um mês onde começa um vento fresco, e um céu um pouco indeciso...O azul de julho é mais definido, apesar de mais frio, alías dias de inverno costumam ser muito bonitos no Rio. LEvei as meninas na Mureta da Urca e isso não agradou muito, como muita gente diz, tem passeio que e coisas que só carioca entende. NO mais elas gostaram do Belmonte do Leblon lotado, adoraram o Rio scenarium com o show do neguinho da Beija Flor, a lapa sempre cheia todos, todos os dias literalmente, as praias de Ipanema e Leblon, um barzinho novo no Leblon que eu queria conhecer e Mônica e Elisa toparam, fomos em 5 e mais tarde uns caras já passaram pra nossa mesa, o Stuzzi. Bom, mas meu estilo e da Mônica. Fomos a Barra, outback sempre cheio, fomos para um mexicano e mais cedo matar a fome na Olegário. Fomos na escadaria do Selaron, elas ao Cristo Redentor, eu para outros cantos, tb fiz umas aulas suportes de Inglês...Enfim, fizemos coisas pra caramba em 12 dias, mas muitaaaaaaaaa. Valeu. MInha viagem está bem mais definida. Resolvi ficar apenas 3 dias em MIlão, dali vou pra Lecce na Puglia tb 3 dias pegar uma praia do mar adriático das redondezas de Lecce. Dali vou pra Gallipoli, ai sim pegar as praias do Jônico por 7 dias. Dali de avião para Malta chegando lá em Malta dia 9 de julho. Minha imersão no Ingles começa dia 10 de julho até 28. Dia 29 amanheço e vou para Paris. Fico em Paris 3 dias e volto pro Brasil. Ia voltar por Amsterda, mas minha passagem total 0800 com milhas AAdvantage foi assim Manaus MIlão, Paris SP. Mas tá bonitooooooo Em Malta eu estou cada vez mais apaixonadas por fotos que vejo em sites diversos, e tb no Instagram. Aliás preservei apenas o Instagram. O resto deletei. As fotos vão me seduzindo com a mistura de história e mistura de estilos arquitetônicos , alguns de forte impressão árabe, outros mais italianos típicos...Enfim, cafés, muito bar, aliás lá tem Café Del mar, eu adoro um chill out né, perfeito!!!! Cerveja barata, 77 cents nos bares. Alias Paceville onde vou ficar é a muvuca mesmo, é bem próximo a escola e não preciso condução, e a noite o agito , as boites não precisa pagar para entrar, e já tenho algumas brasileiras no meu grupo de Whatsapp que vão na mesma época, hoje marcamos de sair , cozinhar etc. Tem muitas bahias algumas me lembram as bahias de Bastia na Córsega, na CItadelle, onde construções muito antigas, dividem espaços com pequenos restaurantes de toldos coloridos....Enfim...super afim de chegar a hora. Enquanto isso, vamos do mote do mané do Temer, Não pense na crise, trabalhe. Coisa de nazi, mas é mesmo assim, neste momento, não dissipar energia é importante. Fuiiiiiii posto as fotos depois...do feriado no Rio.